(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

CNI questiona lei que criou vale-pedágio no transporte de cargas 10/10/2018 14:24:39

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) ajuizou no Supremo Tribunal Federal, nesta terça-feira (9/10), ação de inconstitucionalidade com pedido de liminar contra a Lei 10.209/2001, que instituiu o “vale-pedágio”. A entidade entende que há violação ao princípio da razoabilidade e ao princípio da proporcionalidade na lei, porque ela prevê indenização ao transportador rodoviário de quantia equivalente a duas vezes o valor do frete, pela suposta não entrega do vale-pedágio.

 

A ação afirma que houve  cobrança obrigatória sobre o transporte rodoviário de carga, cujo objetivo é “fazer frente às despesas de deslocamento de carga por meio de transporte rodoviário”, em razão da utilização efetiva das rodovias brasileiras pelos transportadores. A ministra Cármen Lúcia foi sorteada relatora do feito.

 

A Confederação destaca que o fato de a lei federal ser de 2001 “não retira a urgência da tutela judicial, pois agora, com esse cenário conturbado, a fiscalização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) tem se mostrado presente, impondo aos embarcadores o constrangimento de virem a ser obrigados a indenizar os transportadores, não raro em valores vultosos e desproporcionais, sem que estes últimos tivessem, subsidiariamente, suportado qualquer dever/obrigação ou sofrido qualquer tipo de dano a ensejar a referida reparação”.

 

De acordo com a ação, nas perguntas mais frequentes relativas ao vale-pedágio, encontradas na página da ANTT na Internet, há a informação de que, caso o embarcador se recuse a antecipar o vale-pedágio, a consequência é a sua autuação, não havendo qualquer referência a eventual imputação subsidiária, supletiva ou decorrente ao transportador pela falta de pagamento do vale-pedágio.

 

A ação destaca ainda que o não recolhimento do vale-pedágio pelo embarcador não transfere ao transportador a responsabilidade pelo seu recolhimento.

 

“Também não imputa ao transportador qualquer ato punitivo decorrente, como a impossibilidade de circular pela via pedagiada ou a apreensão do seu veículo. Por conseguinte, por não haver transferência de qualquer obrigação ao transportador, é de se reconhecer que este não terá contra si consequência danosa alguma que demande uma reparação”, afirma a ação.

 

Clique aqui para ler a petição.

 

ADI 6.031

 

Fonte: Revista Consultor Jurídico – 09/10/2018.




Clipping Portal ABRAS


 

Últimas

» Supermercadistas projetam vendas estáveis para o verão 2019 07 de Dezembro 2018, 14h26
» Liminar suspende aplicação de multas em razão do tabelamento de fretes 07 de Dezembro 2018, 12h54
» Tabela de Incidência do IPI é atualizada 07 de Dezembro 2018, 12h53
» Cade investigará praticas anticompetitivas no mercado financeiro e de meios de pagamento 07 de Dezembro 2018, 12h51
» Estudo propõe criar política para combater desperdício de alimentos 07 de Dezembro 2018, 12h50
» Câmara aprova alterações em projeto sobre desistência da compra de imóvel 07 de Dezembro 2018, 12h48
» Condenação genérica em ação coletiva deve prever reparação sem especificar danos sofridos pelas vítimas 07 de Dezembro 2018, 12h46
» Projetos terão mesmo número na Câmara e no Senado 07 de Dezembro 2018, 12h44
» Diário Eletrônico da Ordem dos Advogados do Brasil entra em funcionamento dia 31 07 de Dezembro 2018, 12h43
» Nova sistemática de atendimento a usuários do PJE terá início em Janeiro de 2019 no TRT-2 07 de Dezembro 2018, 12h42

Ver mais »